sábado, setembro 10, 2016

Escolas recebem alunos para preencher 55.000 turmas


O número de turmas abertas este ano "está em linha" com o ano passado.

Os alunos do ensino básico e secundário começam na sexta-feira a preencher as 55.000 turmas abertas pelo Ministério da Educação para o ano letivo 2016-2017, que marca a distribuição gratuita de manuais escolares no 1.º Ciclo. 
O número de turmas abertas este ano "está em linha" com o ano passado, disse à agência Lusa fonte do Ministério da Educação, acrescentando que são cerca de 80.000 as crianças que entram este ano para o 1.º ano e que recebem os manuais escolares. 
Muitas câmaras que já desenvolviam esta práctica vão continuar a oferecer os livros, até porque a medida do Ministério da Educação aplica-se este ano apenas ao 1.º ano de escolaridade e não inclui os livros de fichas, só os manuais, que terão de ser devolvidos em bom estado no final do ano. 
A Câmara de Viana do Alentejo, no distrito de Évora, anunciou que vai oferecer os manuais e os livros de fichas aos cerca de 200 alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico, aproveitando os manuais disponibilizados pelo ministério para o 1.º ano e oferecendo os restantes livros necessários para o 2.º, 3.º e 4.º ano, incluindo os cadernos de actividades.
Alcácer do Sal, Setúbal, segue a mesma práctica, num investimento de superior a 24.000 euros para abranger as 425 crianças do 1.º Ciclo. 
Na Sertã, a Câmara Municipal optou por assegurar a manutenção das quatro turmas do Instituto Vaz Serra (IVS) em Cernache do Bom Jardim que perderam os contractos de associação com o Estado, na sequência dos cortes de financiamento decididos pelo Ministério da Educação, na sequência de uma revisão da rede pública de ensino. 
A autarquia decidiu suportar metade dos custos com os alunos dessas turmas, o que corresponde a 200.000 euros, de acordo com o presidente do município, José Farinha Nunes (PSD). 
De acordo com o Ministério da Educação, todas as escolas vão desenvolver este ano um sistema de tutorias para apoiar os alunos com dificuldades. 
Alguns estabelecimentos de ensino já desenvolviam experiências do género, mas no âmbito do crédito horário que lhes está destinado para desenvolverem projectos próprios. 
Agora, precisou o ministério, estes projectos estão incluídos na componente lectiva. 
"O modelo de organização é absolutamente flexível", referiu a mesma fonte, sublinhando que os directores escolares foram desafiados a organizar o modelo em função das necessidades locais, durante as jornadas pedagógicas promovidas em Julho, com a participação do secretário de Estado da Educação, João Costa. 
A abertura oficial do ano lectivo decorre de Sexta-feira a dia 15, com a maioria das escolas a aproveitarem os primeiros dias para ultimarem o regresso às aulas e as reuniões de recepção aos pais e alunos. 
Cerca de 1,2 milhões de alunos vão distribuir-se por 811 agrupamentos e escolas não agrupadas da rede pública. 
O ministro da Educação marca o início do ano escolar hoje numa visita ao Agrupamento de Escolas Fernando Casimiro Pereira da Silva, em Rio Maior, onde estudam cerca de 1.200 alunos. 
Na quarta-feira, dia 14, cerca de 30 membros do executivo vão visitar escolas, numa iniciativa anunciada como uma homenagem à comunidade educativa. 
Neste dia, o primeiro-ministro, António Costa, 15 ministros e 12 secretários de Estado voltam, na sua maioria, a alguma das escolas em que estudaram.

"Sentimos o comboio a saltar e depois descarrilou"


Passageiros relatam horror vivido em descarrilamento de comboio na Galiza. Maquinista português entre as quatro vítimas mortais.

O descarrilamento de um comboio português de passageiros, esta Sexta-feira, junto à estação de Porriño, em Pontevedra, na Galiza, fez pelo menos quatro mortos e dezenas de feridos, alguns em estado grave. 
O comboio ao serviço da CP transportava 69 passageiros e fazia o trajeto Vigo - Porto, desconhecendo-se ainda as razões do acidente, que ocorreu cerca das 9h30 locais (8h30 em Portugal). 
Para já, sabe-se apenas que o comboio, que foi à revisão em Maio, saiu dos carris e chocou com um poste de iluminação e que a via onde circulava a composição era uma via secundária, pois a principal estava em obras. 
A Junta de Galiza disponibilizou um número de telefone para os afetados pelo acidente de comboio. Familiares e amigos podem pedir mais informações pelo número +34 900 101 020. 

Passageiros relatam horror vivido 

Conception e Antía estavam no comboio que descarrilou, esta sexta-feira, na Galiza. As duas mulheres, de Monforte e Vigo, estavam na terceira carruagem da composição e tudo corria dentro da normalidade quando, de repente, sentiram o comboio a dar um 'salto'.
"Antes de começar toda esta loucura, estávamos despreocupadas. Sentimos o comboio a saltar e depois descarrilou", explicou uma delas, citada pelo jornal Faro de Vigo.
O comboio acidentado estava pejado de turistas como Conception e Antía. Aliás, entre as vítimas mortais consta uma pessoa norte-americana.
O dia-a-dia na zona também foi totalmente alterado, esta sexta-feira. Arim Rodriguez, que mora a um minuto da estação, garante que estava em casa quando a confusão começou. "Fui logo até lá para oferecer ajuda, mas estava tudo controlado e acabei por ir embora, para não estar a estorvar".
"Cá fora é que estava um caos, porque cortaram muitas ruas para que as ambulâncias pudessem circular. As pessoas também estavam muito nervosas porque se lembravam do acidente de 2013 e tinham medo que fosse outro acidente trágico", explicou. 

Um português entre as vítimas 

O maquinista, de nacionalidade portuguesa, é uma das vítimas mortais. José Arnaldo Moreira tinha 45 anos e estava ao serviço da CP há 22 anos. Fazia várias vezes este caminho. A família de José Moreira vai receber apoio psicológico.
Outra das vítimas será o revisor, de nacionalidade espanhola, que teria 55 anos. Uma terceira vítima mortal - que o jornal Faro de Vigo diz ser um jovem galego de 23 anos - faleceu a caminho do hospital, com uma paragem cardíaca. Segundo a mesma fonte, a quarta vítima confirmada será um turista de nacionalidade norte-americana.
O presidente da Junta da Galiza (Governo regional), Alberto Feijóo, admitiu que pode existir uma quinta vítima mortal, ainda encarcerada. O vice-cônsul de Portugal na Galiza, Manuel Correia da Silva, disse que três dos feridos são portugueses, entre eles uma mulher, mas dois deles já tiveram alta.
A maioria dos passageiros abandonaram o comboio e a zona do acidente pelo próprio pé, com o café da estação de comboios a transformar-se num autêntico hospital de campanha.
Alguns feridos foram transportados para o hospital Álvaro Cunqueiro, em Vigo e foram acionados helicópteros para transportar as vítimas. Foram hospitalizados 12 feridos, dos quais três são portugueses.
A agência de gestão ferroviária espanhola Adif já abriu uma investigação ao acidente. 

Doze feridos continuam internados 

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, informou que 12 pessoas feridas no acidente desta sexta-feira do comboio Celta em Porriño, na Galiza, continuam hospitalizadas, mas sublinhou que nenhuma corre perigo de vida. 

CP participa em comissão de inquérito liderada por espanhóis 

A CP-Comboios de Portugal lamentou o acidente ferroviário ocorrido na Galiza que fez quatro mortos, um deles o maquinista português, indicando que participará na comissão de inquérito "de imediato constituída" para esclarecer as respetivas causas.
Em comunicado, a companhia ferroviária portuguesa precisou que a comissão de inquérito é "liderada pelas empresas ferroviárias espanholas, ADIF e RENFE, e inclui representantes da CP".
"No âmbito deste inquérito serão apuradas as causas e circunstâncias deste acidente, que só após a sua conclusão serão divulgadas", acrescentou.
A empresa indicou igualmente que o maquinista, de nacionalidade portuguesa, "pertencia aos quadros da CP", que está agora a acompanhar a família "neste momento de luto para todos os ferroviários".
Na nota à imprensa, a CP lamentou ainda "profundamente as vítimas mortais", endereçando "os mais sentidos pêsames às famílias" e desejando "a rápida recuperação dos feridos resultantes do acidente". 

Ligação entre Porto e Vigo assegurada com ajuda de autocarro 

A ligação ferroviária entre o Porto e Vigo, em Espanha, está a ser assegurada com a ajuda de um autocarro devido ao descarrilamento, hoje de manhã, de um comboio naquela linha, disse fonte oficial da CP.
"Enquanto a linha estiver interrompida naquela zona, os passageiros vão de comboio até Valença [no distrito português de Viana do Castelo], onde fazem depois o transbordo rodoviário até Vigo", explicou a fonte à Lusa.
No sentido contrário, o esquema é o mesmo: os passageiros vão de autocarro de Vigo até Valença, onde apanham depois o comboio até ao Porto. 

CP diz que o comboio estava "em perfeitas condições" 

O Presidente da CP, Manuel Queiró, partiu para a Galiza mal soube do acidente e foi já em Porriño que falou aos jornalistas. O responsável máximo da CP garante que a composição "se encontrava em perfeitas condições" e que só uma investigação rigorosa poderá esclarecer as causas do acidente. Queiró elogiou a actuação dos meios de socorro galegos e apresentou condolências às famílias das vítimas mortais, que confirmou serem quatro.
Manuel Queiró esclareceu ainda que a composição acidentada, "pertence às duas companhias, a Renfe e a Cp", pelo que diz tratar-se de "um comboio luso-espanhol". O presidente da CP considera que a realização de obras na via "não pode ser a causa" do acidente ocorrido na manhã desta Sexta-feira.
A porta-voz da CP confirmou entrentanto que a ligação ferroviária "Celta", que liga Porto a Vigo (Espanha), é partilhada pela Comboios de Portugal (CP) e pela Renfe "em termos comerciais e operacionais"
"O 'Celta' é explorado conjuntamente pela CP e pela Renfe [operadora espanhola] em termos comerciais e operacionais. Toda a gestão é partilhada pelas duas empresas", afirmou Ana Portela, especificando que "os custos de circulação são partilhados". A tripulação dos comboios que servem essa ligação pode, por isso, ser mista.
Segundo Ana Portela, o material circulante (comboios) é espanhol e alugado pela CP, cabendo as maiores manutenções à Renfe.
Há dois meses, indicou, o comboio que hoje descarrilou foi alvo de uma "grande intervenção" pela empresa espanhola e, já depois, teve outra intervenção, mais pequena, no Porto.
Já ao nível dos carris, a gestão é feita no território português pela Infraestruturas de Portugal, enquanto em Espanha essa função cabe à Adif. 

Partidos galegos suspendem campanha eleitoral

Os partidos políticos galegos - incluindo o PP, o Partido Socialista da Galiza e o En Marea (que inclui o Podemos) - suspenderam os atos de campanha previstos para hoje devido ao acidente em Porriño.
O PP (Partido Popular), PSdeG (Partido Socialista da Galiza) e o En Marea (a marca do Podemos para as eleições regionais galegas) lamentaram, em comunicado, o acidente e manifestaram o seu pesar às famílias das vítimas. A Galiza celebra eleições autonómicas (regionais) a 25 de Setembro.

domingo, janeiro 10, 2016

Três feridos em descarrilamento de comboio em Contenças, Mangualde


A primeira carruagem do comboio que fazia a ligação entre Mangualde e Guarda descarrilou junto ao apeadeiro de Contenças. O motivo terá sido uma barreira colocada junto à via que caiu

Dentro do comboio seguiam 12 pessoas. Para o apeadeiro de Contenças, Mangualde, seguiram 13 veículos dos bombeiros e 42 operacionais para assegurar as operações de socorro. O CDOS de Viseu adiantou ainda ao DN que havia três feridos, o que foi confirmado a Lusa pelo director do Gabinete de Investigação de Segurança e de Acidentes Ferroviários (GISAF), Nelson Oliveira. Os feridos ligeiros são o revisor, o maquinista e um passageiro. 
O descarrilamento terá sido causado por uma barreira colocada junto à via, que caiu à linha férrea, em resultado do mau tempo que se faz hoje sentir, confirmou o director do GISAF. Elementos do gabinete já estão a caminho do local para se inteirarem da situação e verificarem se há motivos para a abertura de uma investigação.

Mau tempo impede remoção de baleia


Baleia deu à costa na praia da Parede. O animal tem cerca de dez metros de comprimento

Segundo a Política Marítima no local, está a ser estudado com a Protecção Civil a melhor forma de retirar o corpo da baleia, que durante a noite mudou de local. Com a maré cheia às 15h as autoridades têm esperança que o corpo volte a mudar de local para facilitar a remoção. Está a discutir-se a possibilidade do uso de gruas mas a forte agitação marítima e ventos fortes vão agravar-se, pelo que não há ainda solução para a remoção da carcaça. 
A baleia morta deu à costa na tarde de sábado na praia da Parede, em Cascais. Fonte da Polícia Marítima de Cascais explica que foram alertados para a situação a meio da tarde quando o corpo do animal "andava à deriva junto à linha de costa". 
Pela descrição dada pela polícia marítima ao Instituto da Conservação da Natureza deu para concluir que se trata de uma baleia-comum, ainda juvenil, com oito a dez metros de comprimento. 
O acontecimento chamou muitas pessoas à praia, durante a tarde, para ver a baleia, e muitos partilharam imagens nas redes sociais.